Prefeitura de Curitiba amplia em 23% quadro de agentes de combate a endemias

agente de endemias scaled-gazeta-do-bairro
Agente de endemias Cintia Izabel Hreczkiu vistoria residências na região de Santa Felicidade - Curitiba, 15/05/2024 - Foto: Daniel Castellano / SMCS

A Prefeitura de Curitiba incorporou neste mês de maio 20 novos agentes de combate a endemias (ACE) para auxiliar no enfrentamento à dengue. Com isso, a capital paranaense passou a contar com 108 ACEs, uma ampliação de 23% no quadro profissional.

“É um trabalho bacana, dinâmico, gratificante, porque você faz o bem, plantando coisas boas, positivas, orientando as pessoas. Você trabalha com vida e saúde”, conta uma das novas ACEs de Curitiba, Cintia Hreczkiu, de 51 anos.

Os agentes de combate às endemias são os responsáveis por vistoriar quintais, realizar visitas domiciliares e estabelecimentos comerciais para buscar focos endêmicos, com o objetivo de prevenir e controlar doenças.

- Publicidade -

Neste momento de alta de dengue em todo o país, o trabalho dos ACE se soma ao trabalho de campo realizado também pelos 554 agentes comunitários em saúde (ACS) de Curitiba.

“É um contingente bastante robusto de profissionais para nos apoiar neste momento. São 662, entre ACEs e ACSs. Mas, ainda assim, é imprescindível que cada cidadão cuide do seu espaço, pois é impossível ter um agente público em cada residência para ficar monitorando”, reforça a secretária municipal da Saúde de Curitiba, Beatriz Battistella.

“Cada um tem que fazer a sua parte para manter os criadouros de mosquito da dengue longe dos quintais”, completa.

Outras ações

Além dos trabalhos de campo, de vistoria casa a casa, dos ACE e ACS, a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba usa outras ferramentas no combate à dengue, como uso de drones para vistorias, instalação de armadilhas (mosquitraps), identificação laboratorial de larvas e mosquitos, delimitações de focos do mosquito com bloqueios ambientais, bloqueios epidemiológicos em áreas com casos da doença, aplicação de inseticida UBV em locais com maior infestaçãoLIRAa (Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti), conforme diretriz do Ministério da Saúde, e, ainda, um extenso cronograma de mutirões de limpeza do Curitiba sem Mosquito.

A Central 156 recebe solicitações de pedidos de fiscalização em locais com suspeita de água acumulada. E a Central Saúde Já Curitiba, que atende pelo telefone 3350-9000, tira dúvidas e faz orientações em casos de suspeita de dengue, assim como disponibiliza tele e vídeo consulta médica, em caso de necessidade. Além disso, toda a rede municipal de saúde, com suas unidades básicas, UPAs 24 horas e hospitais estão capacitados e prontos para atender.

Compartilhe este artigo
adbanner