Raízes

cabeca articulista neide1-gazeta-do-bairro

Já se passaram mais de noventa anos, na cidade de Osvaldo Cruz, interior de São Paulo.
Era um jovem, bonito com apenas dezenove anos vindo de Portugal, muita coragem e disposição em busca de realizar seu sonho de conquistar um pedaço de chão para criar uma família e fixar moradia no Brasil.
Seu nome, Adelino, um português muito decidido com objetivos claros e determinação que o conduziram logo a conquistar cinco alqueires de mata fechada. Mata virgem, que foi derrubada no machado. Árvores e mais árvores, cipós, enfrentando cobras e todo tipo de bicho. Na luta, além das mãos calejadas, algumas cicatrizes como vestígios dos cortes profundos de machado e foice. Não desistiu. Nesta luta, sempre convivendo com a comunidade conheceu Elvira, uma menina meiga que logo se apaixonou por Adelino e com ele foi dividir a modesta casinha de barro coberta de sapé onde iniciaram sua vida em comum.
Veio o primeiro filho, que aos seis meses faleceu com coqueluche (tosse comprida). em seguida veio o segundo filho, sem conhecer a vacina teve paralisia infantil. Mesmo diante de tanta dificuldade chegou a ser tratado na capital de São Paulo e mesmo assim teve sequelas, que acompanhou sua vida toda.
O sofrimento era grande, mas a fé do casal era maior, não desanimaram por nada. Quando criança, contam que uma tia cuidava do pequeno José enquanto seu pai trabalhava na plantação de café, arroz e cuidando do pomar, além de uma verdadeira videira que chegou a produzir mais de mil litros de vinhos por ano.
Os anos foram passando e chega o momento do menino José ir para a escola, como ele não podia ir caminhando, o pai comprou uma égua, que o conduzia junto com o irmão mais novo Augustinho, faziam um percurso de cerca de três quilômetros.
José usou aparelho na perna em toda sua vida até falecer aos 82 anos. Também seguiu o exemplo do pai, mesmo com sua deficiência nunca deixou de trabalhar, assim como seus 8 irmãos (ãs), todos trabalhadores. Os homens na roça, as mulheres nos afazeres doméstico e as crianças brincando e sendo crianças, sem a tecnologia de hoje.
Depois de muito trabalho um pomar com uma variedade grande de frutas, com o tempo ele estava com um maravilhoso sitio formado. Como o vinho era para consumo, além de fornecer ao padre para usar na sacristia a renda vinha o café e das frutas e verduras vendidas na cidade, alguns frangos. Assim foi se desenvolvendo e criando a família.
O casal teve dez filhos, não havia televisão, celular, então as noites os pais se reuniam com os filhos, para contar histórias, anedotas, enfim… nesta roda juntavam alguns vizinhos, compadres, reinava muita alegria contagiando a todos naquele doce lar.
Que já era uma casa de alvenaria, com uma área grande onde se acomodavam os filhos: Jose, Augustinho, Luiz, Izaura, Zilda, Oscar, Neide, Helena e Irene.
No ano de 1937 comprou um Ford, automóvel que ele o chamava de charanga, era bonito de ver aquele carro “abarrotado” de gente: o casal e nove filhos rumando para a missa.
Missa “sim senhor”. Era sagrado a frequência de todos à missa de domingo.
Adelino faleceu no ano de 1972 sua esposa Elvira no ano de 2000 e Luiz, José e agora também Augustinho, falecidos.
Os demais continuam levando a vida, trabalhando e curtindo o bem viver.
Estas reflexões chegaram até a mim pela Zilda, filha do português e minha irmã, pois eu era muito criança e não lembrava com detalhes, do aqui relatado.

MARCADO:
Compartilhe este artigo