Abrigando um dos mais renomados grupos de pesquisa sobre formigas, a Universidade Federal do Paraná esta recebendo cerca de 360 “especialistas em insetos sociais”. Com destaque para o estudo das formigas que são um dos insetos mais importantes para avaliar a conservação ambiental e o equilíbrio da cadeia alimentar.

Eles chegam à capital para participar do XXIII Simpósio de Mirmecologia, um verdadeiro marco para a UFPR, a primeira universidade brasileira a criar um Departamento de Zoologia, abrigando o mais antigo programa de pós-graduação em Entomologia do País, tendo também em seu corpo de professores um renomado grupo de pesquisa sobre formigas. Motivo do simpósio ser realizado aqui pela segunda vez, a primeira foi em Londrina, em 2001.

Rodrigo Feitosa, professor do Departamento de Zoologia da UFPR e integrante da comissão organizadora do evento, lembra que “o Paraná ocupa atualmente um lugar de destaque na Mirmecologia internacional. Além do grupo de pesquisa da UFPR, há grupos conceituados de pesquisa sobre formigas nas sedes da Embrapa em Colombo e Londrina”. E completa: “O estado é um importante centro de formação de novos mirmecólogos, especialmente nas áreas de taxonomia, sistemática, biologia evolutiva e manejo de formigas de importância econômica”.

Começando na segunda-feira, dia 23, no Museu Oscar Niemeyer ele vai até sexta (27) no Setor de Ciências Sociais Aplicadas da UFPR, no Jardim Botânico.