Autor: Fabrício Capinejar – Editora: Bertrand Brasil

Fabrito era feio, “mais feio do que se possa desenhar”. Carpinejar já viveu infeliz, já viveu isolado, já viveu sem amigos, já viveu não querendo ir à escola para não sofrer nenhum deboche. Mas percebeu que, ao contar a tristeza, ela diminui. Ao não contar, ela aumenta. Por isso descreveu a sua tristeza para os leitores. A história é real. Tudo aconteceu. Ele se chama Fabrício, e seu apelido era Cavalinho-de-pau, Cara de morcego, Panqueca e até Placenta.

Sobre o autor
Fabrício Carpinejar, filho dos poetas gaúchos Maria Carpi e Carlos Nejar, é jornalista e escritor, mestre em Literatura Brasileira pela UFRGS. Nasceu em Caxias do Sul, em 1972.