Dia do Quadrinho Nacional

sergio mhais vinheta-gazeta-do-bairro

O dia 30 de janeiro é celebrado pelos profissionais e leitores de histórias em quadrinhos brasileiros como o Dia do Quadrinho Nacional. De onde vem essa comemoração? Trata-se do aniversário de publicação da tira As Aventuras de Nhô-Quim ou Impressões de uma Viagem à Corte, de Ângelo Agostini.
Publicada pela primeira vez em 1869 na revista Vida Fluminense, a tira é reconhecida como a primeira história em quadrinhos brasileira, e uma das primeiras do mundo. Em 1984 a Associação de Quadrinistas e Caricaturistas do Estado de São Paulo fez o registro da data, que no ano seguinte passou a fazer parte do calendário nacional.
Ângelo Agostini foi um piemontês que se radicou no Brasil. Começou sua carreira artística durante a Guerra do Paraguai e publicou seus desenhos em periódicos paulistanos abolicionistas, fundados por ele mesmo e de curta duração, até se mudar para o Rio de Janeiro. Seu talento para o desenho, aliado à rebeldia natural dos italianos, fez com que se tornasse um dos mais reconhecidos críticos do governo imperial através de charges, caricaturas e tiras devido a sua orientação republicana e abolicionista.
Nhô-Quim não foi o único personagem de Agostini, que logo depois criou Zé Caipora pouco antes de uma temporada de tragédias familiares na Europa. O artista teve uma carreira longa que durou até próximo de sua morte em 1910, chegou a ser publicado no início da na longeva Tico-Tico, para a qual criou o logotipo.

Compartilhe este artigo