Um dos desenhistas mais populares do Brasil, Mauricio de Sousa chega aos 80 anos em plena atividade, achando as 24 horas do dia muito pouco. Ele tem dez filhos, 11 netos e mais de 300 personagens criados em sua longa trajetória.
No ano de seus “oitentinha”, ele foi homenageado na Coreia com uma grande exposição de seus “filhotes”. No Brasil, foi o homenageado da Bienal do Livro do Rio de Janeiro. “Fiquei orgulhoso e tive de fazer força para não ficar me achando, além disso, alguns dos escritores que estavam lá são meus ídolos”, conta Mauricio sobre estar no evento literário. Aliás, Mauricio de Sousa é o primeiro autor do segmento de quadrinhos a ingressar na APL – Academia Paulista de Letras.

 Em meio a tantos personagens, será que ele tem algum favorito: “Gosto de todos os personagens, são meus filhos. Mas o Horácio fala mais de mim, pela linha filosófica relativa aos problemas da vida, relações humanas”, confidencia Mauricio, que começou a desenhar no final dos anos 1950. O primeiro personagem? Bidu, o simpático cãozinho azul, que tem como dono o Franjinha. Depois veio o Cebolinha, a Mônica, o Cascão e a Magali. E assim surgiu a Turma da Mônica.
Foram muitos anos criando para o público infantil, o que o faz ser muito criterioso na questão de temas a serem abordados. Não é fácil querer entrar em assuntos complicados, como política. “A vida inteira evitei deslizar para o lado político, nosso material é dirigido para a criança, ao jovem e são temas problemáticos para trabalhar para esse público. A única época em que chutei o pau da barraca e puxei temas mais políticos foi na época da ditadura, nas tirinhas do Jotalhão, do Rei Leonino. Até me arrisquei um pouco por usar temas que eram críticas veladas e outras não tanto ao governo”, afirma Mauricio.
http://www.emresumo.com.br/2015/10/28/mauricio-sousa-completa-80-anos