Curitiba viu crescer 152% o número de empresas abertas nos primeiros quatro meses do ano. De acordo com dados do site da Junta Comercial, foram abertas 4.238 novas empresas de janeiro a abril, bem mais que as 1.682 do mesmo período do ano passado. Foi o maior número desde o início da série, em 2014, com 2.987 novas empresas.

A capital foi a cidade com maior crescimento no Estado e respondeu por 27% das empresas abertas no Paraná no período. Ficou à frente de Maringá, com evolução de 41,65%, de 713 para 1010 novas empresas. O número inclui também os dados de Microempreendedores Individuais (MEIs).

A recuperação da economia, o aumento das facilidades para abertura de empresas e os incentivos ao empreendedorismo ajudam a explicar o crescimento. “A Prefeitura vem fazendo um trabalho forte em duas vertentes. A primeira é capacitação do pequeno empreendedor, em parceria com o Sebrae. A segunda é dando visibilidade a ideias e iniciativas na área de inovação, por meio do movimento Vale do Pinhão”, diz Cris Alessi, presidente da Agência Curitiba.

O Programa Curitiba Empreendedora, por exemplo, apoia o desenvolvimento dos negócios. Atualmente são oito Espaços Empreendedor nas Ruas da Cidadania do Boa Vista, Boqueirão, Cajuru, da CIC, de Santa Felicidade, do Fazendinha-Portão, Pinheirinho e Bairro Novo. Neste locais, os empresários recebem orientação e informação, formalização, capacitação empresarial, assessoria e consultoria.

A Agência Curitiba fornece a estrutura, os locais, os técnicos e os equipamentos de informática e o Sebrae é responsável pelas capacitações e consultorias.

Desde fevereiro, os espaços contam com profissionais do Sebrae oferecendo consultoria empresarial aos MEIs de Curitiba sobre os temas Marketing, Finanças, Planejamento e Gestão Empresarial, Controle Financeiro e outros.

Lorena Saraceni, de 33 anos, integra a safra de novos empreendedores curitibanos. Ser a própria chefe era um sonho antigo e, em fevereiro, ela e mais três sócias, abriram um salão de estética e design de unhas no bairro São Braz.

Juntas, elas investiram R$ 10 mil no negócio. Cada uma trabalha como microempreendedora individual.  “Já tínhamos uma clientela fixa quando trabalhávamos em outro salão e agora o nosso objetivo é crescer mais”, diz ela, que chega a atender 30 pessoas por dia. “Tivemos apoio do pessoal da Rua da Cidadania de Santa Felicidade, com dicas e informações”, diz ela, que diz que pretende investir em capacitação. “Hoje sabemos que isso faz diferença”, afirma,

De janeiro a abril foram realizados 61,6 mil atendimentos nos Espaços Empreendedor. O número representa um aumento de 8,7% em relação ao mesmo período do ano passado (56,6 mil). Desde o início do ano foram realizados 281 atendimentos referentes à capacitação e 170 de gestão empresarial.

Vale do Pinhão

Um dos principais programas da Prefeitura, o Vale do Pinhão também está levando empreendedorismo com inovação aos Espaços Empreendedor. Desde fevereiro de 2018, cursos como Marketing Digital, a oficina Sei Vender e Como Empreender na Nova Economia fazem parte da grade desenvolvida aos MEIs nas Ruas da Cidadania.

“O Vale do Pinhão beneficia os microempreendedores individuais, pois eles também precisam estar preparados para atender um consumidor cada vez mais exigente e que espera ser surpreendido”, destaca Letícia Justus, coordenadora do programa Curitiba Empreendedora e responsável pelos Espaços Empreendedor.

Segundo ela, o maior desafio daquele que se torna MEI é se manter competitivo no mercado, crescer e gerar renda.