Nossa homenagem à Pandinha que em maio completaria 33 anos.
Ela morreu no dia 10, no zoológico de Curitiba.

Parques são importantes para termos um lugar para recarregar nossa bateria, nos desligarmos um pouco do mundo ou poder simplesmente nos exercitarmos.
Neste período que enfrentamos, estávamos privados de ir à alguns lugares. O zoológico de Curitiba foi um deles, no entanto, após dois anos, podemos dar uma volta e rever um dos parques mais legais da cidade. E, ao contrário do que muitos podem pensar, não é um passeio apenas para crianças, o ambiente é convidativo.
Observar o comportamento dos bichos é um caso à parte, cada um com seu jeito, alguns parecem que querem chamar a atenção. As aves com seu canto, os macaquinhos com os seus saltos, as llamas tomando banho, os felinos no espaço deles.
Do passeio podemos observar alguns pontos, nem todos os recintos estavam ocupados, alguns estavam passando por reformas. Observamos também novas placas de identificação, muito mais claras e objetivas do que o modelo antigo.
Sentimos falta da girafa. Ela era um dos moradores que mais ganhava atenção, mas, a Pandinha, como era conhecida, acabou morrendo. Ela teve uma vida longa, era uma das girafas mais velhas do mundo, tendo vivido o dobro do que viveria na natureza.
Os hipopótamos também nos divertem, entrando e saindo da água parecem saber que estão sendo observados. E assim é cada espécie, cada qual a seu modo.
Mas para que servem os zoológicos?
De uns tempos para cá, passei a reparar num movimento que é contrário a existência de tais lugares, mas, graças à existência dos zoos, que espécies foram salvas da extinção. Os zoológicos são responsáveis tam-
bém por ações e conservações de espécies, na medida do possível; demonstram aos visitantes os hábitos e comportamentos das espécies.
Mas de onde vêm os animais do zoo?
Cerca de 70% foram apreendidos ou resgatados de situação de risco. Outros nasceram no próprio zoológico ou instituições parceiras. Esta é a principal missão: ajudar na manutenção das populações de animais selvagens.
Como é uma área verde, acontece de encontrar algumas espécies soltas. As aves são as mais freqüentes, já que há espaço seguro para fazer seus ninhos e criar os filhotes. Mas também há pequenos roedores à solta, bem como lagartos e algumas espécies de cobras.
A entrada no zoológico é gratuita, funciona de terça-feira à domingo, das 10h às 16 horas.