O crime da Chicago da Depressão Econômica inspirou o autor Chester Gould a criar um policial durão, incansável e incorruptível. De um teste de tiras dominicais em 1931, rapidamente passou a ter também a tira diária, após um ano as duas tiras tinham sua continuidade unida. Gould tinha traço duro e caricato, nada incomum a outras tiras em quadrinhos. Nos roteiros o artista conquistou o público.


O protagonista entra para a polícia após testemunhar o sequestro da noiva e o assassinato do pai da moça. De início enfrentou criminosos inspirados nas manchetes dos jornais, como gangsters e assaltantes de banco; depois passou a combater uma galeria de vilões grotescos, o que sempre contribuiu para o sucesso e longevidade de personagens heroicos. No entanto o mérito da tira vinha da narrativa realista e de fazer da cidade (embora não nomeada, era Chicago) o palco das aventuras.


O sucesso desta primeira tira policial inspirou a criação de muitos personagens concorrentes na mesma temática. O declínio da tira ocorreu justamente quando a tira saiu da cidade e foi para a Lua em 1962, época da corrida espacial, quando também os EUA viviam uma cruzada antiviolência. Foi uma fase hoje esquecida e escondida que durou sete anos e descreditou personagem e autor.


A tira dura até os dias atuais com outros autores, e o personagem teve um novo e breve auge em 1990 com um filme de elenco estelar que ganhou o Oscar de melhor maquiagem.