Em mais um dos levantamentos feitos pelo site Congresso em Foco, ficamos sabendo dos parlamentares mais ricos do Brasil. Tendo como base a declaração patrimonial informada ao se candidatar e que fica aberta agora para vermos entre os 513 deputados e 81 senadores no exercício do mandato.
No Congresso Nacional, este trabalho indica que os 20 mais ricos acumulam mais da metade de todos os bens informados à Justiça eleitoral por todos os parlamentares. Outro detalhe interessante que juntos, os nove senadores e 11 deputados mais ricos, acumulam uma fortuna superior a R$ 1,18 bilhão, equivalente a 56% do total de R$ 2,09 bilhões somados coma informação prestada pelo total de 594 congressistas.
Então, entre os eleitos no ano passado, o mais rico, o senador paranaense, Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), informou possuir mais de R$ 239 milhões de patrimônio. Fundador do grupo Positivo (um dos maiores do ramo da educação no Paraná).
Detalhe, ele não é o mais rico pois tem o “dinossauro” o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), eleito em 2014, com mandato até 31 de janeiro de 2023. Ele também é empresário e administrador de empresas, e é responsável por uma das maiores redes de shopping centers do país, o Iguatemi.

Só uma mulher
Entre os 20 congressistas mais ricos, encontramos apenas uma mulher. É a deputada Magda Mofatto (PR-GO). Foram levantados neste grupo privilegiado, quatro parlamentares de Minas Gerais, três do Ceará, dois de São Paulo e Goiás. Declarou uma fortuna de R$ 389 milhões em bens a maior fortuna informada à Justiça eleitoral.
Vale destacar que os valores declarados pelos parlamentares costuma ser subestimado. A legislação eleitoral não fala de fiscalização nem punição para aqueles que não declararam o que de fato possuem.
Difícil de acreditar é que 23 deputados federais afirmaram não possuir qualquer bem. Entre eles o polêmico Alexandre Frota (PSL-SP).