Jornalista Humberto Schvabe

Continuo me debatendo em meus contatos com pessoas que dedicam suas vidas à carreira política.
Antes de tudo, confesso que vejo na maioria, uma grande coragem para trocar seu trabalho “normal” por uma vida pública. Conviver em meio à famigerada e degradada vida pública brasileira. Um meio onde partilhamos um dos mais profundos sentimentos de vergonhas desta nossa querida Nação, mesmo sabendo que existem bons exemplos e que sem ela não existe sociedade.
Olho para eles, vejo suas ações e atitudes estranhas e lembro que vivem no meio de algumas pessoas do tipo que posso chamar, sem o menor temor, de “corja”. Gente que, sem o mínimo constrangimento, vota em faraônicos benefícios para os mais favorecidos, os que já tem tudo, que são verdadeiros atentados à população.
Então me pergunto: eles estão lá por culpa minha, culpa nossa? É, a princípio nós que os elegemos. Difícil é assumir esta culpa. Principalmente quando criticamos e não temos coragem de nos candidatar. …ou não temos aptidão “para coisa”? E a dificuldade de encontrar um candidato, em condições de se eleger, que possa ser apresentado como exemplo de vida pública.
Então, a gente cansa, cansa de perder o voto, né. O que não significa que tenha de votar em quem ganha não, mas a gente se sente impotente.
Agora comigo de novo: culpa minha que não saio candidato?
Agora respondo: não tenho coragem, nem o dom, por isto fico por aqui no meu modesto papel de discutir as coisas que nos cercam. Mas entendo bem a necessidade e até mesmo minha falha em não tentar.
Então fica difícil conversar com os amigos idôneos que temos vivendo dentro da política em meio a tantos outros bons homens públicos que por sua integridade (neste meio corrompido) merecem mil vezes mais o nosso respeito. Ao entrar na questão dos desmandos e corrupção do setor, em geral, a população acaba ofendendo todos os políticos e é difícil pedir desculpa toda vez que, mesmo sem perceber, “colocamos todos no mesmo saco”.
Talvez pudessem, estes amigos aceitar esta sugestão que repito mais uma vez:
Falem por nós, criticando e denunciando os colegas corruptos e “aproveitadores do poder”. Fujam dos conchavos…
Quem sabe assim possam encontrar um novo caminho para se consolidar como diferentes, salvadores da Pátria. Nossa, que bom, ai terei mais um motivo para aprofundar ainda mais estas amizades.