Luciana Ferreira Cortez de Oliveira (37 anos), moradora e comerciante do bairro Campo Santana em Curitiba é exemplo pela sua ação motivando a cidadania e a participação dos moradores. Os resultados estão surgindo por meio do projeto “Uma Carta para Mudar”, inspirado no filme “Um sonho de liberdade” (EUA-1994). Onde a persistência e um presidiário conquistou recursos para a biblioteca da prisão.

Aqui as cartas são escritas pelos moradores e alunos de escolas da região, depositadas em urnas espalhadas em comércios, escolas e unidades de saúde. Lidas no local são direcionadas às autoridades públicas das áreas competentes.

Como resultado destas iniciativas contabiliza um maior número de atendimentos na Unidade de saúde e melhoramento de ruas com saibro entre outros.

Buscando em primeiro lugar a participação e o envolvimento da comunidade colocando os munícipes como protagonistas de mudanças e do atendimento às reivindicações, além da agilização do atendimento e o desenvolvimento de uma consciência que os afasta da zona de conformidade e mostrando o poder efetivo e democrático de cada uma ante as necessidades de todos.

E isto é fundamental para um bairro como o Tatuquara com mais de 36 mil pessoas e infinitas demandas em termos de urbanismo, saneamento e regularização de lotes (como no caso da Vila Lambari), creches e unidades de saúde, segurança, transporte e educação.

Como todo o projeto que leva como estandarte o “Bem Comum” seria anormal não sofrer críticas e encontrar obstáculos, mas Luciana não desamina diante de problemas e dificuldades que esbarram no caminho; “Tentaram me inibir, é claro. Mas a gente só quer cumprir a Constituição”-diz Luciana. Ela conta com a ajuda de voluntários que assim como ela tem os mesmos anseios de ajuda e desenvolvimento das pessoas em sua dignidade humana, que ali moram e vivem numa perspectiva de melhoria local, ajudam nas urnas que recolhem com as cartas, pessoas que auxiliam outras que tem dificuldade em escrever as missivas, também seu braço direito, o esposo Fernando Cortez que à apoia em tudo.

Luciana também desenvolve outro trabalho na unidade de saúde da comunidade do Rio Bonito o Projeto Lucianas e Marias, onde senhoras, jovens e crianças aprendem crochê, tricô, pintura em tecido e louça, bordados, amigurumi entre outras atividades e passam um tempo nessas oficinas onde aprendem a conviver ao mesmo tempo que conseguem agregar uma pequena renda e se motivam para o empreendedorismo familiar.

Nos dias 10 de abril, 8 de maio e 12 de junho, já estão programadas para a rua Hewerton Leinig Saporski ao lado da US Rio Bonito exposição e venda de produtos artesanais feitos por pessoas da oficina e moradores locais.

 

Projetos sociais são aqueles que de fato trazem no seu interior o sumo do bem comum, fruto de vivências e experiências de quem passa pela vida e entende que algo pode ser feito. Não repousar sobre o problema apenas mas viabilizar uma solução coerente e criativa, transformadora Isto é o que tem acontecido no Rio Bonito graças a esta jovem altruísta que, por este trabalho foi selecionado para a condução da “Tocha Olímpica Rio 2016”.

Existem muitas pessoas em nossa cidade e por este Brasil que buscam fazer a diferença desenvolvendo ações que se multiplicam num desdobramento contínuo, positivo e construtivo.

Acompanhe uma rápida entrevista que o articulista Daniel Ramires, da Gazeta do Bairro, fez com Luciana.

GB: Quem é Luciana Cortez?

Luciana: Uma pessoa que faz trabalhos voluntários por amor, em busca de um mundo melhor, mais humano. E que tem isso como meta para sua vida.

GB: O que é e por que o projeto ‘’Uma carta para mudar’’?

Luciana: É o momento em que os moradores expressam suas críticas, sugestões e elogios da estrutura e desenvolvimento do bairro com os sentimentos de quem vive a realidade de cada lugar. É também um meio usado para sermos ouvidos por nossos representantes.

GB: Mudar o que, e para quem?

Luciana: Uma rua que não é pavimentada, falta de segurança, médicos, vaga nas creches… emfim mover o olhar das autoridades para os que mais precisam.

GB: Quem lhe apoia e ajuda neste trabalho?

Luciana: O conselho local da US Rio Bonito, escolas, várias mídias de comunicação como: o Jornal Caderno do Bairro, Gazeta do Povo, Tribuna do Paraná, RPC TV, voluntários de outras comunidades e agora vocês do jornal Gazeta do Bairro, que cumprem sua função social na informação e na formação de cidadania.

GB: Como as pessoas estão reagindo no Bairro?

Luciana: Tenho o apoio e adesão dos que entendem a importância do projeto para a comunidade.

GB: Quais os desafios você está enfrentando?

Luciana: Conscientizar as pessoas de que, sim! Nós podemos.

GB: Quais os resultados estão colhendo?

Luciana: Além de melhorias na saúde e no bairro como: troca de lâmpadas e a passagem de máquinas nas ruas de saibro, estamos plantando consciência de cidadania participativa para todas as idades.

GB: Havia a necessidade de ter um projeto dessa natureza caso houvesse um trabalho participativo e ativo da parte dos governantes?

Luciana: Não.

GB: Qual o desdobramento que você espera do projeto?

Luciana: Espero que esse projeto se torne um movimento e que vá além das escolas, unidades de saúde, e que possa chegar nas empresas, a fim de estreitar relações para que todos possam ser ouvidos.

GB: Pretende expandir este trabalho?

Luciana: Com certeza! E aproveito esse momento para convidar os leitores do jornal Gazeta do Bairro a participarem também e conhecerem nossa página no Facebook, www.facebook/umacartaparamudar.com.br.

GB: Quais outros projetos trabalha?

Luciana: Temos também o projeto: “LUCIANAS E MARIAS” Artesanato no posto. É o momento em que dedico meu tempo para aprender e ensinar, com muita satisfação, amor e carinho, a todos que fazem parte. E tem esse nome porque representa todas as mães da comunidade. 

GB: Uma mensagem para quem lê e ouve sobre este trabalho.

Luciana: Convido você a participar dos nossos projetos, “UMA CARTA PARA MUDAR” e “LUCIANAS E MARIAS” os quais temos um lema:  PARA AJUDAR; “NÃO IMPORTA A COR DA MÃO, COLORIDO É MAIS BONITO!!” Venha conosco pois a cidadania começa por você!