Os deputados estaduais aprovaram nesta terça-feira (15), em primeira votação, o projeto de lei 298/2020, que regulamenta a oferta de testes rápidos de covid-19 em farmácias do Paraná. De acordo com a proposta, de autoria do deputado Michele Caputo (PSDB), os exames deverão ser realizados preferencialmente no modalidade drive-thru, na área externa da farmácia, garantindo a segurança dos demais usuários.

Além disso, o texto complementa as recomendações da Anvisa sobre o papel do farmacêutico na execução dos testes. A ideia é que a oferta deste novo serviço não prejudique a rotina de assistência farmacêutica, com presença permanente de farmacêuticos no balcão da farmácia, na dispensação de medicamentos.

“Os testes rápidos em farmácia facilitaram o acesso das pessoas aos exames de sorologia, que identificam anticorpos da doença. Contudo, é preciso regramento para que a população não fique exposta ao vírus e tenha a clareza de para que serve este tipo de teste”, explica o deputado Caputo, que é farmacêutico.

SAÚDE – O projeto também teve parcecer favorável da Secretaria de Estado da Saúde, que destacou a importância de medidas para “diminuir a probabilidade de contágio em ambientes fechados”.  Ainda segundo a pasta, a iniciativa inova ao ressaltar a necessidade de que os resultados dos testes sejam interpretados por profissionais de saúde capacitados, não deixando dúvidas aos pacientes.

INFORMAÇÃO – Diferente dos exames RT-PCR, que detectam a doença na fase aguda, os testes rápidos são indicados para no mínimo sete dias após o início dos sintomas. É utilizado apenas uma gota de sangue coletada do dedo do indivído. O resultado sai, em média, em 15 a 30 minutos.

No início da pandemia, esse teste estava restrito principalmente aos profissionais de saúde, segurança e que estavam na linha de frente do combate ao coronavírus. Ele era recomendado para identificar se alguém já teve contato com o vírus. “Agora com a oferta em farmácias, ele acabou ficando à disposição de toda a população e por isso precisamos ter muito cuidado com a interpretação dos resultados”, comenta o deputado Caputo.

Em caso de resultado positivo, o farmacêutico prestará todas as informações necessárias para que o paciente busque atendimento médico e fique em isolamento social.

PROCESSO LEGISLATIVO – O projeto de lei ainda deve passar por mais duas votações na Assembleia Legislativa até a próxima semana e depois segue para sanção ou veto do governador Ratinho Júnior.