Com a instalação de placas em 10 pontos estratégicos nas principais vias de acesso de entrada de Curitiba, a prefeitura objetiva alertar para a proibição do uso de tração animal no Município. Segundo o coordenador da Rede de Proteção Animal, Paulo Colnaghi esta foi a maneira encontrada para avisar “aos visitantes e moradores da região metropolitana que isto é proibido e que possíveis infratores serão punidos”.
Esta lei, criada em 2015, proíbe a tração animal, bem como o uso de veículos de tração animal. Desde outubro de 2015, com a nova lei, 51 cavalos foram apreendidos e doados.
A responsabilidade da fiscalização é da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, pela Rede de Defesa e Proteção Animal.

Como funciona
O animal é apreendido e enviado ao Centro de Controle de Zoonoses e Vetores, enquanto o proprietário e também o condutor responde com punição de acordo com a lei.
Isto não significa que os equinos desaparecerão da cidade, pois são permitidas em estabelecimentos como haras, turfe, hipismo, equoterapia, cavalgadas e também pelas forças públicas, militares ou civis.