Pacientes com sintomas respiratórios e também os casos confirmados de infecção pela covid-19 são monitorados diariamente pela Secretaria Municipal da Saúde. A tarefa de ligar e acompanhar a evolução dos casos agora passará também a ser atribuição da Central de Teleatendimento (3350-9000).

Pela Central de Atendimento já foram monitoradas 11 mil pessoas. Por dia são cerca de 1.200 ligações, incluindo nos fins de semana e feriados. Isso representa metade do monitoramento feito até agora.

O monitoramento dos pacientes notificados com sintomas respiratórios é feito também pelas Unidades Básicas de Saúde, Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e pela rede privada de saúde. Nas ligações, os profissionais verificaram a evolução dos sintomas, reforçam a necessidade do isolamento e direcionam o atendimento de casos graves.

“É um serviço personalizado de acompanhamento que resguarda a saúde da população e ajuda a manter em isolamento pessoas com casos confirmados e suspeitos”, explica Márcia Huçulak, secretária municipal da Saúde.

Foi o monitoramento que ajudou na hora certa o aposentado Valdemar Toni, 78 anos, morador do bairro Xaxim. Depois de ser avaliado em uma UPA com sintomas respiratórios, ele começou a ser acompanhado pela Unidade de Saúde Esmeralda.

“Numa das ligações percebermos a piora do quadro do seu Valdemar e imediatamente pedimos que ele procurasse atendimento na UPA. De lá, foi direto para internamento no Hospital do Idoso, onde teve a confirmação da infecção pelo coronavírus”, contou Daise Cristina Klosterhoff, autoridade sanitária da US Esmeralda.

Com a confirmação da covid-19, a US passou a monitorar também a mulher de Valdemar, Neusa Paulino Toni, e o filho Abel, que é do grupo de risco por ter feito um transplante. Abel foi chamado para fazer o teste da covid-19 e teve resultado negativo. Neusa não desenvolveu sintomas e ficou em isolamento. Mesmo com a alta do seu Valdemar, a família continua sendo monitorada por mais um período.

No feriado da Sexta-Feira Santa, 10 de abril, Etienne Baptista da Cruz Rugik sentiu uma forte falta de ar e ligou para a Central de Teleatendimento da Prefeitura de Curitiba. A paciente foi encaminhada para uma consulta médica virtual no Telemedicina, que considerou a condição leve e fez as recomendações de isolamento social.

No dia seguinte a paciente já entrou no radar da Unidade de Saúde Santa Quitéria, que passou a acompanhá-la. No decorrer da quarentena, ela não precisou ir até um serviço de saúde, nem de internamento.

O controle da evolução do quadro da paciente foi todo foi feito pelo monitoramento. “Me ligaram no dia seguinte e me acompanharam durante toda minha quarentena, fui muito bem atendida e me senti assistida o tempo todo”, declarou.