Jornalista Humberto Schvabe

Desde que Rubens Bueno, deixou a região Campo Mourão mudando “a sede” de atuação para a capital paranaense, sua carreira não tem mais o mesmo brilho, deixando transparecer um certo descontrole, ou como insistem alguns ex-companheiros, um certa prepotência e distância da coerência que marcou seus primeiros mandatos.
O sucesso inicial fruto de sua dedicação, estudo e coerência política, foi município de Peabiru (que poucos lembram) para a cidade sede da região, Campo Mourão, onde chegou a ser prefeito. A partir daí, se transferiu de “mala e cuia” com toda sua estrutura política para Curitiba. Tentou ser prefeito, tentou de novo e de novo, fez alianças, arranjos etc, até colocar sua filha como vereadora. Esta, bem formada, boa aparência e a bagagem política familiar, se apresentou chamando muita atenção. Casou com um colega da casa e mesmo assim acabou em desgraça com seus pares.
Na verdade, com o tempo parece ter se cansando desta função, voltando-se para o complemento de sua formação escolar na Europa. Enquanto isto, por aqui tentava manter-se na mídia local através de ações coordenadas por seus estrategistas políticos com a sustentação do pai. Deu no que deu.
Agora, a mais nova vontade de Bueno, ser vice de Ducci, se consolida (oficialmente) depois quase ser jogada por terra pela própria filha, na tentativa de supervalorizar o pai. Neste jogo de egos, perdemos a chance de ficar um pouco mais distantes deste político que tomou rumos bem diferentes que aqueles em que se focava no início de sua carreirista. Assim, como dizem no pampa, buenosse tem de ser assim, que seja. Fica pública este meu alerta para que ele possa refletir, lembrando de suas origens e assim voltar às desenvolver ações mais coerentes e próximas a realidade que nos cerca, mesmo com o risco de conseguir tudo o que quer, como acontece com nós mortais normais.