Em sua oficina me deparo com um senhor ensimesmado, extremamente concentrado, com quase um século de vida, precisos 92 anos de idade, e que, num primeiro momento me transmite substancioso impacto curioso e simultaneamente apreciativo e estimulador. Possuidor de semblante expressivo, luminoso e contagiante, deixa transparecer irradiante felicidade e grande prazer. Contudo, com mesma intensidade, é visível perceber o transbordante júbilo e tamanha satisfação na realização de sua tarefa cotidiana.

O aposentado, Pedro Gonçalves de Freitas, nascido aos 29 de junho de 1922, natural de Pernambuco, cidade Corrente, residente no bairro Pinheirinho, sempre buscou tempo para conciliar sua profissão, esta que o levou a aposentadoria por tempo de serviço, com as de marceneiro, restaurador de livros e carpinteiro. Admirável seu esforço com que confecciona suas caixas porta-objeto, cofres, cadeiras, mesas, casas de boneca, berços, restauração e encadernação de livros, etc… Por conseguinte, ele narra que, na maioria das vezes consegue realizar a venda de seus produtos.

Entre outras, creio que reside nesta atividade cotidiana, através da aplicação desta “terapia ocupacional,” uma das receitas de sua longevidade que, por sua vez, acarreta conseqüências benévolas, trazendo boa saúde, felicidade, amor, paz de espírito e, sobretudo, o privilégio e o sabor de manter uma vida sadia e inspiradora, sendo útil a si mesmo e ao próximo.