A via lenta da BR-476 (Linha Verde) foi um dos locais onde mais se registrou imprudência dos motoristas pela fiscalização com radares estáticos, em 2018. Nas marginais da rodovia, em que o limite de velocidade indicado pela sinalização é de 40 km/h, os agentes de trânsito chegaram a aferir até 95 km/h.
Relatório da Superintendência de Trânsito (Setran) mostra que, somente na via lenta da BR-476, foram 1.135 casos de desrespeito ao limite de velocidade verificados no último ano. “São casos de pessoas que tentam ‘cortar caminho’ pelas pistas laterais e desviar do controle dos radares fixos instalados na rodovia”, aponta o secretário da Defesa Social e Trânsito, Guilherme Rangel.
Esse comportamento é um fator de risco para pedestres, ressalta Rangel. Em 2018, uma pessoa morreu após ser atropelada na marginal da Linha Verde, segundo informação preliminar do Projeto Vida no Trânsito (PVT).
“A fiscalização que nossas equipes fazem de forma rotineira na via leva em consideração os pedidos da população, que espontaneamente apresenta a solicitação pelo canal 156”, argumenta o secretário.
No período de 12 meses, foram 34 pedidos relacionados ao abuso de velocidade nas marginais da BR-476, registrados pela Central de Atendimento ao Cidadão.
Foram aplicadas 2.957 multas por excesso de velocidade registradas por radares estáticos em 2018. Na maioria dos casos (2.184), o motorista foi flagrado dirigindo com velocidade superior à máxima em até 20%. Em 684 situações, a velocidade estava entre 20% e 50% acima do limite e, em 89 casos, mais de 50%.

Velocidade nos novos binários
Após diversas manifestações populares, a Setran começou a fiscalizar a velocidade dos motoristas nos dois binários mais recentes implantados na cidade. Nos dois casos (Mateus Leme-Nilo Peçanha e Major França Gomes-João Alencar Guimarães), o limite de velocidade é de 50 km/h, além de trechos com maior movimento de 40 km/h e, nas proximidades de escolas, de 30 km/h.
A recomendação é que o condutor sempre respeite a sinalização de trânsito e a velocidade máxima indicada nas placas. “Os limites de velocidade são determinados por equipes técnicas capacitadas que levam em conta o comportamento de todos os envolvidos para tentar contribuir com um trânsito mais seguro para todos”, acrescenta Rangel.