A ideia surgiu em sala de aula do Senai no Paraná e contou com o apoio da Associação dos Deficientes Físicos do Paraná

Roupas inclusivas, com modelagem adaptada às necessidades de pessoas com deficiência e/ou mobilidade reduzida, que se conectam à internet. Este é a Include Fashion, uma marca de roupas acessível desenvolvida por estudantes do Senai no Paraná. “Inicialmente, o Include Fashion surgiu como um trabalho apresentado na sala de aula, inspirado por duas colegas que precisaram adaptar suas roupas por conta de tratamentos de saúde. Uma delas estava usando uma bolsa de colostomia e a outra usava sonda nos rins”, explica Raquel S. Fernandes, egressa do curso de Modelagem do Vestuário do Senai.

Elaine Cristina de Andrade, especialista em Inovação na Educação do Sistema Fiep e orientadora do projeto, conta que para incentivar os alunos a inovar, a sugestão é fazer com que eles prestem atenção ao entorno, buscando problemas que possam ser solucionados em sala de aula.  Desta forma foi criado o projeto Include Fashion, esclarece Elaine. “Com o passar dos semestres, os estudantes passam por novas fases de experiências e prototipação. Contamos com regulamentos internos que incentivam financeiramente para a continuidade e pivotagem desses projetos. A cultura é de abraçar o erro, para que quanto mais cedo façam e testem, mais cedo possam corrigir e melhorar”, afirma. 

O trabalho de sala de aula cresceu e os alunos perceberam a demanda do mercado. “Para verificar as necessidades reais e as legislações relacionadas ao tema, contamos com a parceria da Associação dos Deficientes Físicos do Paraná (ADFP). Nosso objetivo era promover roupas com facilidade no vestir, aumentando a autonomia, autoestima e inserção social e no mercado de trabalho”, conta. Uniu-se com colegas do curso de Informática para Internet e adicionaram uma “wearable tech”, ou seja, uma tecnologia vestível, que consegue auxiliar no monitoramento de indicadores, fazendo leitura de batimentos cardíacos, temperatura, entre outros dados.

Para desenvolver e orientar os projetos, o Sistema Fiep conta com um programa específico: a Trilha da Inovação. “Com a Trilha, podemos contribuir efetivamente na geração de novas e melhores oportunidades para a indústria brasileira e para o desenvolvimento do nosso país”, analisa Vanessa Frason, gerente de Educação Profissional do Sistema Fiep.

O projeto rendeu para Raquel, uma das estudantes criadoras da marca, o prêmio de terceiro lugar na categoria ideia empreendedora no programa “Empreendedoras Curitibanas – Vale do Pinhão”, da Prefeitura de Curitiba. Para acompanhar a marca, acesse no Instagram o perfil @include.store.

SOBRE O SISTEMA FIEP

O Sistema Fiep é composto pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Serviço Social da Indústria (Sesi), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e Instituto Euvaldo Lodi (IEL). As instituições trabalham integradas em prol do desenvolvimento industrial. Com linhas de atuação complementares, realizam a interlocução com instâncias do poder público, estimulam o fomento de negócios nacionais e internacionais, a competitividade, a inovação, a tecnologia e a adoção de práticas sustentáveis, e oferecem serviços voltados à segurança e saúde dos trabalhadores, à educação básica de crianças, jovens e adultos, à formação e aperfeiçoamento profissional, à formação de nível superior, além de capacitação executiva. Sistema Fiep: nosso i é de indústria.