Mario Sabino lança livro em que reúne artigos do site “O antagonista” e outros textos inéditos

 

Por Carlos Andreazza*

 

Não há dia em que os canais de comunicação da Editora Record não recebam pedidos por um livro de O Antagonista. O surgimento do site, em janeiro de 2015, representou um evento – um marco – para o jornalismo no Brasil. Em dupla com Diogo Mainardi, Mario Sabino é o criador deste fenômeno. E a ele cabe, com grande categoria, dar resposta à demanda – ao desejo – do público leitor.

 

Neste Cartas de um antagonista, Mario – jornalista e escritor, autor, entre outras obras, do excepcional romance O vício do amor – reúne artigos concebidos para a newsletter do site entre abril e setembro de 2016. São 46 os textos que compõem a primeira parte do livro, “De volta”, conjunto que reflete – de forma enxuta e acurada – sobre os meses finais de Dilma Rousseff na Presidência da República. Mas não apenas. O assunto também é o estado mental da nação, cuja loucura só não nos levou ao fundo do poço porque este, no Brasil, sempre pode estar um pouco mais embaixo.

 

A carta que Mario Sabino escreveu para um delegado de polícia em reação a uma clara tentativa de intimidação promovida pelo ex-presidente Lula é peça que deveria ser lida e estudada em todas as faculdades de jornalismo do país. Mais longo, com tom ensaístico, poderia, por estilo, estar na segunda parte do livro, “No exílio”, que abriga três escritos de maior fôlego, pequenos ensaios, dois deles produzidos quando o autor era correspondente da Veja em Paris.Sai-se da leitura deste livro – que alcança a arte de cobrir tamanha desgraça com prosa elegante, olhar preciso e bom humor – com a certeza de que o brasileiro, tão achacado pelos políticos e pelo Estado monumental, é um resistente, um sobrevivente, e também deveria ser um antagonista.

 

Carlos Andreazza é editor-executivo de ficção nacional e de não-ficção da Editora Record.

Mario Sabino nasceu em São Paulo, em 1962. Fundou, com Diogo Mainardi, o site O Antagonista. É autor dos romances “O dia em que matei meu pai” e “O vício do amor” e dos volumes de contos “O antinarciso” (Prêmio Clarice Lispector da Biblioteca Nacional) e “A boca da verdade”, todos pela Editora Record.