De que forma a comunidade pode se unir para ajudar a impedir a ação dos criminosos?

Foi com a intenção de responder a esta pergunta que o Conselho de Segurança do Capão Raso e Região –Conseg-, juntamente com o 13º Batalhão PMPR, promoveram uma reunião no dia 24 de novembro com as lideranças dos bairros capão raso, pinheirinho e novo mundo.

Nesta reunião o Conseg apresentou os primeiros resultados de um plano estratégico que foi elaborado no mês de junho deste ano. Segundo o presidente do Conseg, Antônio Carlos Pontes Coelho, devido ao baixo índice de registro de boletins de ocorrência os indicadores de criminalidade e de violência não correspondem à realidade que enfrentamos em nosso dia a dia. Na prática, o que percebemos é o contrário.

Essa constatação foi o ponto de partida para a produção de um questionário que foi aplicado com a comunidade entre os meses de dezembro de 2014 a abril de 2015. Duzentos de cinquenta e quatro moradores da região apontaram qual são as suas percepções sobre os principais problemas de segurança da comunidade, coordenado pela diretora do Conseg Eliziane Gorniack.

Além das médias gerais Eliziane fez, e apresentou na reunião, uma análise dos dados em três grandes regiões, conforme apresentado no quadro anexo onde se pode perceber que a violência não ocorre da mesma forma em cada região. Enquanto que na região 1, 75% dos respondentes apontam como principal problema o tráfico de drogas, nas regiões 2 e 3, para a maioria dos respondentes, os furtos e roubos são os principais desafios.

BOX

Pesquisa de percepção realizada com os moradores do bairro

 

Região

Região 1

Entre as Ruas José Zaleski e João Rodrigues Pinheiro (referências: Colégio Estadual Emilio de Menezes até Terminal do Pinheirinho)

Região 2

Entre a Ruas José Pereira de Araújo e Rubem Berta (referências: Terminal do Pinheirinho e Fórum de Justiça do Pinheirinho)

 

Região 3

Entre as Ruas Mário Gomes Cesar e Valdeci dos Santos (referências: Colégio Estadual Professor João Loyola e Quartel General do Pinheirinho)

 

Percepção

Principais Problemas

  • 75% – Tráfico de drogas
  • 70% – Furtos e Roubos
  • 60% – Consumo de drogas

 

  • 86% – Furtos e Roubos
  • 76% – Consumo de drogas
  • 64% – Assalto a mão armada

 

  • 92% – Furtos e Roubos
  • 75% – Consumo de drogas
  • 63% – Assalto a mão armada

 

Relato de ocorrências ¹

  • 78% – Tentativa de assalto ou roubo – sem sucesso
  • 50% – Furtos e Roubos de casa
  • 50% Assalto a mão armada

 

  • 50% – Furtos e Roubos de casa 
  • 45% – Assalto a mão armada
  • 45% – Furto e roubos de carros

 

  • 39% – Assalto a mão armada
  • 34% – Furtos e Roubos de casa –
  • 27% – Furto e roubos de carros

 

¹ Os relatos de ocorrências correspondem aos fatos verificados na comunidade e nos últimos 12 meses 

A pesquisa ainda aponta os fatos vividos pelas famílias nos últimos 12 meses. A região 1, quase 80% dos respondentes relataram que enfrentaram tentativas de assalto e roubo. Já nas regiões 2 e 3, os principais problemas vividos estão relacionados aos furtos e roubos de casa e assalto a mão armada.

Após a análise dos dados, o Conseg buscou o apoio do Comando do 13º Batalhão da Polícia Militar do Paraná para planejar as ações de prevenção e combate à criminalidade no bairro. Segundo Antônio “A polícia é a organização especializada em segurança pública, buscamos o apoio deles que nos receberam de portas abertas. Foram algumas reuniões de análise dos dados oficiais e também aqueles apontados pela pesquisa. Na sequência, partimos para o planejamento, a fim de endereçar os principais problemas identificados no bairro”.

Seguindo as ações planejadas, o próximo passo foi desenvolver um material de comunicação que pudesse alcançar o máximo de pessoas e divulgar quais são as situações mais críticas do bairro e também como as pessoas podem se prevenir. Com o apoio de empresários do bairro, foram produzidos cartazes e folders que estão sendo distribuídos nos comércios, igrejas, escolas e empresas.

A campanha intitulada, Basta – aqui nós cuidaremos uns dos outros, é um convite para que cada morador ou trabalhador do bairro passe a cuidar não apenas de sim, mas também dos outros à sua volta. Segundo Antônio, quando um cidadão se expõe a uma situação de risco, como caminhar pela rua com objetos de valor à vista, ele não expõe apenas a si próprio, mas também aqueles que estão ao seu redor. Caso haja uma abordagem de assalto a mão armada as pessoas próximas também passam a correr riscos.

Segundo o subcomandante do 13º Batalhão, Major Bruno, a campanha de comunicação é importante pois conhecer o perfil dos crimes da região ajudarão as pessoas a prevenirem tais situações. A união da comunidade e a prevenção são as maiores armas que podemos ter.

Para os demais membros do Conseg, Eliziane Gorniak , Ivete Bussulo e Nelson Sponchiado, o 13º Batalhão tem tido uma atuação elogiável. Uma gestão aberta ao diálogo e disponível para compartilhar dados e conhecimento. Além disso, vários projetos estão sendo lançados neste ano, visando a prevenção e o combate ao crime.

Um destes projetos que já nasce com uma grande expectativa de resultados chama-se “Abrace seu bairro, abrace a sua polícia”. Por meio dele, cada um dos bairros contará com um oficial designado para fazer a ponte entre a comunidade e o comando. “Conhecer as peculiaridades do bairro e estar próximo da comunidade são ingredientes fundamentais para o planejamento das ações da polícia militar”, relata o Major Medeiros, chefe de planejamento do 13º Batalhão.

Os resultados desta parceria já começaram a aparecer, como a redução do número de homicídios que caiu representativamente nos 15 bairros atendidos por esse batalhão. Abordagens com foco na apreensão de armas e drogas e patrulhas nas ruas com maior incidência de furtos e roubos têm sido o foco da polícia no bairro.

 

Iniciativas como essa demonstram a importância, tanto de um conselho comunitário de segurança atuante, como também do envolvimento das lideranças e da população em geral.

Respondendo à pergunta inicial, a comunidade pode-se utilizar de muitos meios para inibir a ação dos criminosos, entre elas, assumir atitudes preventivas e envolver-se na campanha promovida pelo Conseg.

Para aqueles que desejarem ter acesso às dicas de prevenção, bem como os resultados da pesquisa, o Conseg publicou tais informações em sua página do facebook. O mesmo material na forma impressa, pode ser solicitado no e-mail: [email protected]

Vamos abraçar esta campanha Basta de violência – aqui nós cuidaremos uns dos outros!