A aluna Eloyse de Araújo Borguezani, de 17 anos, do Colégio Estadual Padre Cláudio Morelli, em Curitiba, foi uma das selecionadas para fazer, em julho, um intercâmbio de curta duração nos Estados Unidos. O intercâmbio faz parte da 20ª edição do programa Jovens Embaixadores (iniciativa da Embaixada e consulados dos Estados Unidos no Brasil), que selecionou 50 estudantes de todo País das redes públicas de ensino. O programa inclui palestras, oficinas e reuniões com representantes do governo.

Entre os critérios de seleção dos alunos está o engajamento em iniciativas de impacto social em suas comunidades. O projeto que fez Eloyse se destacar foi a mentoria na equipe de robótica de seu colégio. Ela ajuda os membros do grupo com ideias de construção de projetos, orientações sobre regras de torneios, além do auxílio na pesquisa, programação e montagem de robôs.
Agrinho premiará projetos de robótica desenvolvidos por alunos da rede estadual
“Nos campeonatos, a equipe tem que construir robôs para fazer missões. Os mentores vão ao laboratório e ajudam em dúvidas, no projeto de pesquisa, a encontrar soluções para o problema, a buscar documentos, a falar com especialistas e a estudar o projeto”, explica Eloyse.

A estudante, que se engaja há anos com iniciativas de robótica e tecnologia, pretende ser engenheira e acredita que o intercâmbio pode ajudá-la a alcançar seus objetivos profissionais. “Estou super animada. Agora, estamos correndo atrás do passaporte”.
O intercâmbio tem duração prevista para 1º a 17 de julho, com os custos pagos pelo governo norte-americano.
Os estudantes passarão pela capital dos Estados Unidos, Washington, D.C., e poderão acompanhar a celebração da Independência, em 4 de julho. Depois, serão divididos em grupos menores que seguem para outras cidades, onde participarão de oficinas de liderança e empreendedorismo, projetos de impacto social, reuniões com representantes do governo norte-americano e visitas a escolas da região. Eles também serão convidados a fazer apresentações sobre o Brasil.
Este programa já levou mais de 700 brasileiros aos Estados Unidos, seleciona anualmente jovens entre 15 e 18 anos que sejam estudantes do ensino médio da rede pública no Brasil. Entre os critérios de seleção estão perfil de liderança, bom desempenho acadêmico, conhecimento em inglês e engajamento em ações de impacto e empreendedorismo social.