Assim como outras lideranças apoiadoras do presidente Jair Bolsonaro o Condor anunciou, na primeira semana de novembro, que não vai mais anunciar na Rede Globo. A decisão vem em função da emissora veicular no Jornal Nacional reportagem que revelou o depoimento do porteiro do condomínio de Bolsonaro, associando, de forma indireta, o presidente ao homicídio da vereadora Marielle Franco, do PSOL.

O detalhe é que não irá mais anunciar no jornalismo nacional da emissora, em programas como Jornal Nacional e Bom dia Brasil. Com isto reserva o direito de manter anúncios em emissora da rede como a RPC, francamente favorável a Bolsonaro, assim como o jornal Gazeta do Povo do mesmo grupo, ultraconservador até em sua publicidade. A justificativa apresentada na nota: “Entendemos que em vista da franca recuperação econômica do nosso país, a emissora não deve ser somente imparcial, mas também não deve dar publicidade a notícias sensacionalistas, que só servem de especulação e municiam os que se opõem ao progresso do nosso Brasil”.

E também se compromete e manter esta posição “até que a emissora assuma uma postura mais justa, de acordo com a vontade da maioria da população, que elegeu o nosso atual presidente, pois na era negra em que vivemos sob a administração petista, a emissora não agia da mesma forma”.