Relógio deve ser atrasado em uma hora à meia-noite de sábado (17). O horário de verão está em vigor em dez estados e no Distrito Federal. Objetivo é aliviar a demanda por energia no horário de pico, entre 18h e 21h, nessa época do ano.

Termina neste fim de semana, à meia-noite de sábado para domingo o horário brasileiro de verão que está em vigor desde 15 de outubro. Consumidores de dez estados e do Distrito Federal devem atrasar o relógio em uma hora.

A medida foi adotada em dez estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, além do Distrito Federal. O objetivo é aliviar a demanda por energia no horário de pico, entre 18h e 21h, nessa época do ano em que os dias são mais longos nas regiões tropicais.

A alteração do horário permite adiantar a rotina das pessoas. Elas acordam mais cedo e chegam mais cedo em casa, usando equipamentos elétricos antes do acionamento da iluminação pública. O mesmo ocorre com o comércio e a indústria, que interrompem suas atividades antes do acionamento da iluminação pública.

A demanda por energia no Paraná tradicionalmente cai no horário de pico o equivalente à carga de um município do tamanho de Maringá. Essa redução contribui para evitar perdas de desempenho nas redes de transmissão. No longo prazo, existem ganhos indiretos. Além de evitar o custo financeiro com o acionamento de usinas térmicas no fim da tarde, o horário de verão também permite que as hidrelétricas funcionem em regime normal, usando o fluxo dos rios, preservando a água que está em seus reservatórios.

Ao longo dos meses do horário de verão, houve redução de 0,5% do consumo de energia no Paraná. “Para o consumidor, dificilmente essa mudança será sentida na conta de luz, mas uma redução de 0,5% em um universo de milhões de consumidores deve ser incentivada e preservada porque se reflete, em última instância, em menos acionamento de unidades térmicas”, explica Cuquel.

Além do Paraná, o horário de verão vigora no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.