O isolamento social necessário ao controle do novo coronavírus não afeta o andamento do Projeto Gestão de Risco Climático Bairro Novo do Caximba, desenvolvido pela Prefeitura de Curitiba, e que contará com financiamento da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD).
Esta foi a avaliação de representantes da AFD e de técnicos do Instituto de Pesquisa e Planejamento de Curitiba (Ippuc), da Cohab e da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, em reunião on-line, nesta quarta-feira (15/4), em relação às intervenções socioambientais propostas para a Vila 29 de Outubro, núcleo do Projeto do Bairro Novo da Caximba.


“Todas as medidas assistenciais e de segurança estão sendo tomadas neste momento de crise e não haverá prejuízo ao projeto”, disse a assessora de Investimentos do Ippuc, Ana Cristina Jayme.
Para ela, as ações em conjunto com a comunidade, já iniciadas em 2017 e fortalecidas em 2018 e 2019, têm histórico forte de relacionamento que não deverá ser afetado.
De acordo com o gerente de projetos da Agência Francesa de Desenvolvimento em Brasília, Rogério Barbosa, sobre o novo coronavírus, a AFD busca entender os impactos da pandemia na comunidade da região do Caximba, foco do projeto.
“Fomos informados que várias ações foram tomadas, tanto para reduzir as chances de contaminação entre os membros da comunidade quanto entre os agentes públicos que lá atuam”, contou o representante da AFD.
Barbosa ressaltou o entendimento da necessidade de postergar algumas ações comunitárias que envolvem o contato social para a segurança da comunidade, sem que essa precaução cause atrasos no cronograma de assinatura do financiamento.
“As equipes da Prefeitura e da Cohab já têm um histórico de trabalho com as lideranças da comunidade e muitas atividades para coleta de informações e contribuições ao desenho do projeto já ocorreram”, avaliou.