#painossoqueestanosceuseemtodosnos

Muitos me perguntam: como posso achar a Deus? Respondo a todos: meu amigo, tu não podes achar a Deus, mas Deus pode achar a ti – contanto que sejas “achável”. Faz-te, pois achável – e Deus te achará. Se dentro de ti criares a atmosfera favorável, uma atitude de permanente receptividade espiritual, um clima propício de “pobreza de espírito” e de “pureza de coração” é certo – que serás achado por Deus. E é aí, então, que acharás a Deus. Prepara dentro de ti os caminhos por onde Deus possa vir a ti – e Deus virá a ti, e em ti fará sua habitação.
Essa atmosfera “teotrópica”, de procurar Deus dentro de ti, consiste essencialmente numa progressiva abolição do egoísmo, em todas as suas formas – egoísmo individual, nacional e eclesiástico – e numa crescente proclamação do Amor Universal. Se o grão de trigo não morrer, ficará estéril, mas, se morrer dará muitos frutos. Se não romperes a estreita casquinha do teu ego individual, nunca prestarás coisa grande para a humanidade, nem para ti mesmo; mas, se deres esse salto mortal, do teu estreito egoísmo individual para o vastíssimo cosmos do altruísmo universal, verificarás com jubilosa surpresa que era um salto vital, um salto para dentro de um mundo cheio de vida, alegria, beleza e felicidade.
Desde que o mundo existe, não há exemplo de um homem que tenha achado a felicidade em dar caça direta a esse egoísmo fugaz – mas todos os que foram realmente felizes, alcançaram a felicidade unicamente por fazerem felizes os outros. É essa a eterna Lei Cósmica: quem quer ser feliz individualmente, sem os outros (ou até contra os outros), será sempre infeliz, porque o mundo de Deus é um Cosmos. Um sistema de ordem, harmonia e retidão. E sua retidão – e todas as outras coisas vos serão dadas de acréscimo.
Não há, para além das estrelas, nenhum Deus que te possa libertar dos males que te afligem – só Deus dentro de ti é que te pode libertar do mal, se é que tu lho permitas.
Os chamados malefícios, não são males, uma vez que nenhum deles pode frustrar o teu verdadeiro destino. Os males morais, porém, são criação tua, e não de Deus.

Pedro da Costa