Atendendo convite da pedagoga Marcia Pereira o diretor da Gazeta do Bairro Humberto Schvabe esteve visitando uma turma de crianças do Centro Municipal de Educação Infantil – CMEI Palmeiras no Tatuquara, foi recebido pela diretora Eliane Blaszkowski Champaoski e pelas professoras Vanessa Barbara, Kelen Fracaro e Maria Aparecida S. de Jesus Rodrigues que o apresentaram as 30 crianças da turma do Maternal 3A para se apresentar às crianças como um jornalista profissional e falar de seu trabalho.

No local a surpresa de uma simulação de emergência coordenada pela Guarda Municipal que levou todos para a frente da escola. Uma correria bem organizada que deixou algumas crianças meio preocupadas, mostrando a necessidade da realização do mesmo. Estiveram coordenando a operação o Supervisor Dalla Villa e o GM Luiz Silva. Aproveitando a oportunidade foi sugerida a abertura de uma nova saída de emergência para facilitar o fluxo em caso de alguma necessidade maior.

Quanto às crianças fica o registro do box abaixo:
ESPERANÇA

“Além da curiosidade pelo desconhecido, a inquietação das crianças reflete sua ansiedade diante da vida que aflora em cada um dos pequenos corações. Do mais modesto, que ainda não consegue falar aos 3 anos à contadora de histórias sem fim, que, com seu gesticular gracioso articula palavras entre os mais diversos tons com uma surpreendente desenvoltura, tudo nos empolgou nesta visita.
Um pula lá, outro quer um abraço, um pouco mais de atenção. Logo ali um par de olhos atentos enquanto outros procuravam novidades para entreter sua curiosidade… Sorrisos, gritos e vontade de atuar, aparecer, saber, entender e até mesmo a garantia de que pensava sim e que por isto tinha de fazer uma nova pergunta na busca de entender as diferenças destes homens iguais e mesmo assim tão diferentes uns dos outros.
O constante burburinho de tantas almas animadas, ao mesmo tempo em que refletia a dura realidade de algumas pessoas que ingressam na vida dentro de lares desnudos, também confirmou a confiança no ser humano. Confiança na disposição das crianças pela vida e a esperança maior ao perceber o brilho nos olhos das professoras ante a disposição dos pequenos em conhecer algo novo. Isto é a maior prova de sua dedicação em bem orientar este grupo de meninos e meninas entre 3 e 4 anos de vida.
O resultado de tudo é entender que precisamos levar o nosso muito obrigado a esta gente que se dedica a cuidar de gente.”