Na condição de serviço essencial à população, os trabalhadores e empresários da Central de Abastecimentos do Paraná continuam seu trabalho de fornecer o alimento à população, sustentando o abastecimento de gêneros de primeira necessidade.
Por sua vez, a direção da Ceasa vem fazendo sua parte alertando os usuários e permissionários para se manterem atentos aos cuidados básicos, como destaca o presidente da Ceasa Eder Bublitz para que “fiquem atentos às medidas de prevenção e segurança em geral”.


Ao mesmo tempo, o presidente do Sindaruc, Paulo Salesbram, enfrentando o dia a dia diante do sindicato e dos colegas permissionários tem se mantido atento implementando medidas de segurança para manter a atividade visando sustentar o abastecimento que já começa a sofrer ante das próprias dificuldades de consumo, com o isolamento e diminuição de circulação das pessoas.
Assim a queda no consumo já se reflete na propriedade rural com perda de partes da produção que ficam na lavoura sem poder ser colhidas.
Uma medida que vem sendo discutida com autoridades sanitárias e na Secretaria de Agricultura, pode ser incrementada nos próximos dias. É o fechamento da central aos sábados para um trabalho semanal de higienização e desinfecção em função da existência de materiais que podem hospedar o vírus por mais de 24 horas. Esta medida vem sendo defendida para ser implantada inicialmente para os meses de abril, maio e junho. É bom ressaltar que nada foi decidido ainda.
Estes estudos levam também em conta a diminuição natural do movimento em função do fechamento de muitos estabelecimentos como restaurantes, comércios em geral, sacolões, varejões e a diminuição do tempo de atendimento em alguns mercados que dificulta ainda mais o consumo destes produtos perecíveis que predominam na Ceasa.