A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe foi prorrogada até o dia 30 de junho. Escalonada em três fases, a campanha estava prevista para terminar no dia 5 de junho. Porém, a baixa cobertura em todo o país motivou o Ministério da Saúde a estender a imunização dos grupos prioritários. 

Fazem parte do grupo, profissionais de saúde, idosos, crianças de 6 meses a 6 anos incompletos, gestantes, puérperas (mães que tiveram filhos até 45 dias), doentes crônicos, imunussuprimidos, transplantados e pessoas com deficiência.

“Estar vacinado também ajuda a reduzir a sobrecarga nos serviços de saúde, já demandados por conta da epidemia do novo coronavírus”, disse o Prefeito Rafael Greca

A médica infectologista da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Marion Burger, lembra que mesmo com a circulação do vírus da influenza baixa em Curitiba, devido ao distanciamento social, a vacina é essencial para garantir a proteção da população no futuro. 

“A imunização vai assegurar que quando nossas rotinas forem retomadas não tenhamos um surto de influenza, uma infecção respiratória que também pode se agravar”, explicou Marion Burger. 

Além destes grupos, a vacina contra a gripe também é oferecida a adultos entre 55 e 59 anos, professores, motoristas, cobradores, caminhoneiros e profissionais das forças de segurança.

A vacina não imuniza contra o novo coronavírus, porém, auxilia na exclusão do diagnóstico para a covid-19, já que os sintomas são parecidos.

Meta de imunização

A meta nacional é imunizar 90% de cada público alvo. Em Curitiba a cobertura entre os idosos já alcançou 100% e entre trabalhadores da saúde 95%, mas alguns grupos ainda estão com procura baixa. Entre as crianças (de 6 meses a menores de 6 anos) a cobertura é de 27%; entre as gestantes 19%; puérperas 50%; doentes crônicos 45%; e professores 52%.

A secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak convoca quem ainda não se vacinou para buscar uma unidade de saúde.

“Muitas pessoas estão deixando de se vacinar por medo do novo coronavírus. Curitiba adotou medidas para garantir a continuidade da assistência com segurança, como as dez unidades de saúde exclusivas para vacinação”, lembrou Márcia.

Além das unidades exclusivas para vacinação a partir da próxima segunda-feira (1º/6) as 78 unidades da rede municipal retomam a oferta de vacinas de rotina do calendário nacional. Nessas unidades gestantes, crianças e puérperas também poderão se imunizar contra a gripe.

“Para conter medidas de contaminação da covid-19 essas unidades possuem fluxo separado de atendimento. Já na entrada da unidade pessoas com sintomas respiratórios são direcionadas para área separada”, contou a secretária.

Onde vacinar

Todos os públicos prioritários para imunização contra influenza – gestantes, puérperas, crianças (de 6 meses a menores de 6 anos), profissionais de saúde, idosos, doentes crônicos, pessoas com deficiência, adultos entre 55 e 59 anos, professores, motoristas, cobradores, caminhoneiros e profissionais das forças de segurança – devem procurar umas das dez unidades exclusivas para vacinação.

Para as crianças, gestantes e puérperas há ainda a opção de se imunizar em uma das 78 unidades básicas de saúde que retomam a sala de vacinação na próxima segunda.