Especialistas pedem que pais e mães não deixem de vacinar as crianças por medo de sair de casa ou de reações em relação à Covid-19

Entre as tantas dúvidas sobre as medidas de distanciamento social promovidas durante a pandemia precisamos esclarecer famílias com crianças pequenas: o calendário de vacinação deve ser considerado essencial nesse momento? Qual risco é maior, sair de casa para vacinar ou atrasar essa vacinação por um tempo?
A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) defende que o calendário vacinal seja mantido mesmo durante a pandemia. A entidade explica que o não comparecimento das crianças aos postos de vacinação nas datas recomendadas pode colocar a saúde de todos em risco, especialmente em relação a outras doenças como sarampo, febre amarela e coqueluche.
A pediatra Fabiana Barbosa Ferreira, do Plunes Centro Médico, de Curitiba, concorda que não vacinar pode oferecer mais risco à saúde dos pequenos. “O calendário deve ser respeitado.
Medidas como uso de máscaras – exceto para crianças menores de dois anos – e uso do álcool em gel devem ser mantidas durante todo o trajeto e a permanência no local de vacinação.
O mais importante é respeitar os prazos de cada vacina.
Outra opção para aqueles que podem arcar com os custos é a vacinação domiciliar, oferecida por diversas empresas privadas, mais segura.