Mais uma vez, uma vez mais e assim vão passando os dias e anos; com a passagens de pessoas próximas da gente, os familiares,os amigos, os estranhos e até mesmo os inimigos quando deixam esta vida são lembrados com certa complacência, ou dó, por vezes uma bondade tardia que perdoa muitas falhas. Foi: Coitado, não merecia.

E quem merece a morte? Todos. Assim como nascemos vamos chegar ao fim da vida.

Dói? Claro. E como dói ver um amigo indo assim de uma hora para outra (é sempre de uma hora para outra, ou de um instante para outro: vivo e em seguida morto).

Como todo mundo sabe que todo mundo vai morrer, todo mundo deveria receber esta notícia sem se assustar. Mas todo mundo se assusta! Assim nos deparamos com mais este mistério da vida.

Aqui com esta introdução assim mais leve, mesmo que contemple uma reflexão que considero fundamental, quero registrar a perda do amigo Estefano Dudek, um grande homem, trabalhador exemplar, empreendedor dos mais dedicados a tudo que fez e criou. Um homem de sucesso, que veio dar vida ao Pinheirinho ao lado de outras famílias, poucas, mas que merecem o nosso respeito e muitas delas ainda aqui permanecem como esteve Estefano com os irmãos Eduardo e Silvio sempre ladeado pela esposa ……….., levando o exemplo aos filhos e a todos que com quem conviveu mais intimamente.

Nosso adeus ao mais velho dos Dudek sai, aqui, com dor, a dor da perda de uma pessoa, que, se amostrando simples, teve uma vida exemplar para ser lembrada e destacada por quem, como nós da Gazeta do Bairro, teve a felicidade do respeito mútuo e da sua amizade.

É mais um passageiro que sai desta vida. Vá com Deus para o merecido descanso eterno, grande Estefano. Paz!