As histórias em quadrinhos devido a sua origem de publicação na imprensa popular sempre sofreram preconceito da mídia cultural. Mais à frente na América e em países periféricos, nos anos 1950, o preconceito chegou a se tornar até plataforma eleitoral e perseguição política.
Os editores buscaram mudar a visão da mídia sobre os quadrinhos, as adaptações quadrinizadas de obras clássicas da literatura foi uma saída pensada pelos editores. A primeira empreitada nessa linha foi da editora americana Elliot Publishing em 1941 com a coleção Classics Illustrated, uma coleção que foi revivida em outras editoras ao longo do tempo.

No Brasil foi exatamente a saída da editora Brasil-América do estado da Guanabara para criar uma relação amigável com o governo. A editora lançou a série Edição Maravilhosa, que inicialmente traduziu material importado e posteriormente produziu material com excelentes artistas nacionais, a primeira nacional obra adaptada foi O Guarani, pelo artista haitiano radicado no Brasil André LeBlanc.
Nos anos 1990 a editora Abril publicou a versão traduzida da série de lindas edições de luxo Classic Illustrated da editora americana First Comics.
Atualmente há programas de incentivos e destinação de adaptações literárias para escolas e bibliotecas, e dessa forma se tornou um dos gêneros de quadrinhos mais produzidos por editoras e artistas brasileiros nas duas últimas décadas.